E daí?

E daí?

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

RECUPERAÇÃO DE dvdS E cdS REINICIALIZADOS




O QUE FAZER PARA RECUPERAR ARQUIVOS EM CDS E DVDS QUE ABRIMOS COM O WINDOWS 10 E FORAM AUTOMATICAMENTE REINICIALIZADOS?

Mídia Comercial - privatização - licitações



Na lógica de oprivatizar, a licitação de concessões de sistemas de mídia televisiva e radiofônca dariam uma excelente receita para o Governo.
O que impede esse grande passo a favor do afastamento das emissoras do Governo?
Isso não aconteceu nesses últimos anos, o que aconteceu?

domingo, 14 de janeiro de 2018

Quando teremos leis internacionais que garantam






Quando teremos leis internacionais que garantam perenidade e segurança para os sistemas operacionais (corrigindo-se suas falhas) e métodos de arquivo?
Continuaremos sem saber o que fazer diante dos gigantes da Informática e Hardware de computadores?
Quem é responsável?
O que fazer?
Pagar o que quiserem?

Quem pode defender o consumidor? O cliente dessas empresas?

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Segurança do cidadão


O transporte coletivo urbano é objeto de todo tipo de assaltante, quem cuida?
Caminhar pela cidade é uma aventura pois além do trânsito, risco de atropelamentos e tombos, os amigos do alheio não descansam, quem cuida?
Qual foi o efeito da Copa do Mundo em Curitiba, compensou?
O pesadelo da falta de creches e escolas do ensino fundamental será duradouro?
Em muitos lugares podemos questionar a eficácia dos “conselhos”, MPs, OAB, Juizados, policiamento etc. Será que nossa Presidente do STF deverá visitar todas as cidades brasileiras para saber que vivemos num país do “faz de conta”?
Nossos vereadores, deputados, senadores e seus DAS deveriam usar os serviços públicos, têm medo?
Já visitaram os hospitais (Erasto Gaertner, por exemplo, em Curitiba)?
Só para lembrar, o que sabem sobre os desafios das cidades para as crianças, pessoas idosas, doentes, com deficiência(s)?
Podem informar com clareza quais são suas 10 prioridades em ordem de importância e divulga-las permanentemente?
Quem cuida do povo que trabalha?
Propaganda paga abafa verdades?


segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Utilização de explosivos no Brasil



A utilização de explosivos no Brasil é espantosa.

Já imaginaram se essa facilidade existisse em países que os terroristas e quadrilhas mais antigas existem?

O que está acontecendo no Brasil?
De que forma identificam o material usado?
Quanto foi recuperado em relação aos furtos e roubos de explosivos?

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Como seria o Natal sem a Copa do Mundo e as Olimpíadas no Brasil?

  1. O Brasil estaria desmoralizado e em crise econômica se a última Copa do Mundo e as Olimpíadas não tivessem acontecido no Brasil?
  2. A esperteza de inúmeros corruptos, dos quais poucos estão presos, valeu a pena?
  3. A Lava-Jato valeu?
  4. Nosso povo saberá em quem votar?
  5. Os brasileiros consideram a honestidade importante?
  6. O espírito “Zé Carioca” e os crentes em manás mandarão no Brasil?
  7. Quantas gerações pagarão pelos erros dessas gerações que viabilizaram esse desastre?
  8. E outros do passado?


quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Cartéis, monopólios, oligopólios, safadeza?

  • O que explica aumento de custos e perda de qualidade em serviços essenciais (transporte aéreo, por exemplo)?
  • O aumento absurdo do preço da carne nesta semana?
  • Juros absurdos?
  • Bandidos (com facilidades para uso de dinamite?) agindo livremente em algumas regiões?
  • Espírito natalino?


Políticos indultados, liberados, soltos




O grande julgamento deve vir das urnas eleitorais.
Pensando mais, quem irá substituir as pessoas acusadas em diversos inquéritos?

Em um ano estaremos entronizando os sucessores, o povo decidirá.

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

A importância da aposentadoria compulsória




Todos têm limites, limites físicos, limites intelectuais, limites de responsabilidades, autonomia, limites clínicos, limites sensoriais, limites, efeitos de remédios, sequelas de tratamentos, limites vocacionais, limites físicos, 


  1. Você tem consciência dos seus limites?
  2. Entende porque a aposentadoria é importante?
  3. Você sabe que pode prejudicar muita gente sendo inconsciente de suas limitações?





sábado, 25 de novembro de 2017

Até quando veremos denominações erradas para as "Pessoas com Deficiência"?




LEI Nº 13.146, DE 6 DE JULHO DE 2015.

Mensagem de veto
Vigência

Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência).
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LIVRO I

PARTE GERAL

TÍTULO I

DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I

DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 1o  É instituída a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência), destinada a assegurar e a promover, em condições de igualdade, o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais por pessoa com deficiência, visando à sua inclusão social e cidadania.

Parágrafo único.  Esta Lei tem como base a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, ratificados pelo Congresso Nacional por meio do Decreto Legislativo no 186, de 9 de julho de 2008, em conformidade com o procedimento previsto no § 3o do art. 5o da Constituição da República Federativa do Brasil, em vigor para o Brasil, no plano jurídico externo, desde 31 de agosto de 2008, e promulgados pelo Decreto no 6.949, de 25 de agosto de 2009, data de início de sua vigência no plano interno.

Art. 2o  Considera-se pessoa com deficiência aquela que tem impedimento de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, o qual, em interação com uma ou mais barreiras, pode obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas.

§ 1o  A avaliação da deficiência, quando necessária, será biopsicossocial, realizada por equipe multiprofissional e interdisciplinar e considerará:      (Vigência)

I - os impedimentos nas funções e nas estruturas do corpo;

II - os fatores socioambientais, psicológicos e pessoais;

III - a limitação no desempenho de atividades; e

IV - a restrição de participação.

§ 2o  O Poder Executivo criará instrumentos para avaliação da deficiência.

Art. 3o  Para fins de aplicação desta Lei, consideram-se:

I - acessibilidade: possibilidade e condição de alcance para utilização, com segurança e autonomia, de espaços, mobiliários, equipamentos urbanos, edificações, transportes, informação e comunicação, inclusive seus sistemas e tecnologias, bem como de outros serviços e instalações abertos ao público, de uso público ou privados de uso coletivo, tanto na zona urbana como na rural, por pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida;

II - desenho universal: concepção de produtos, ambientes, programas e serviços a serem usados por todas as pessoas, sem necessidade de adaptação ou de projeto específico, incluindo os recursos de tecnologia assistiva;

III - tecnologia assistiva ou ajuda técnica: produtos, equipamentos, dispositivos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivem promover a funcionalidade, relacionada à atividade e à participação da pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida, visando à sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social;

IV - barreiras: qualquer entrave, obstáculo, atitude ou comportamento que limite ou impeça a participação social da pessoa, bem como o gozo, a fruição e o exercício de seus direitos à acessibilidade, à liberdade de movimento e de expressão, à comunicação, ao acesso à informação, à compreensão, à circulação com segurança, entre outros, classificadas em:

a) barreiras urbanísticas: as existentes nas vias e nos espaços públicos e privados abertos ao público ou de uso coletivo;

b) barreiras arquitetônicas: as existentes nos edifícios públicos e privados;

c) barreiras nos transportes: as existentes nos sistemas e meios de transportes;

d) barreiras nas comunicações e na informação: qualquer entrave, obstáculo, atitude ou comportamento que dificulte ou impossibilite a expressão ou o recebimento de mensagens e de informações por intermédio de sistemas de comunicação e de tecnologia da informação;

e) barreiras atitudinais: atitudes ou comportamentos que impeçam ou prejudiquem a participação social da pessoa com deficiência em igualdade de condições e oportunidades com as demais pessoas;

f) barreiras tecnológicas: as que dificultam ou impedem o acesso da pessoa com deficiência às tecnologias;

V - comunicação: forma de interação dos cidadãos que abrange, entre outras opções, as línguas, inclusive a Língua Brasileira de Sinais (Libras), a visualização de textos, o Braille, o sistema de sinalização ou de comunicação tátil, os caracteres ampliados, os dispositivos multimídia, assim como a linguagem simples, escrita e oral, os sistemas auditivos e os meios de voz digitalizados e os modos, meios e formatos aumentativos e alternativos de comunicação, incluindo as tecnologias da informação e das comunicações;

VI - adaptações razoáveis: adaptações, modificações e ajustes necessários e adequados que não acarretem ônus desproporcional e indevido, quando requeridos em cada caso, a fim de assegurar que a pessoa com deficiência possa gozar ou exercer, em igualdade de condições e oportunidades com as demais pessoas, todos os direitos e liberdades fundamentais;

VII - elemento de urbanização: quaisquer componentes de obras de urbanização, tais como os referentes a pavimentação, saneamento, encanamento para esgotos, distribuição de energia elétrica e de gás, iluminação pública, serviços de comunicação, abastecimento e distribuição de água, paisagismo e os que materializam as indicações do planejamento urbanístico;

VIII - mobiliário urbano: conjunto de objetos existentes nas vias e nos espaços públicos, superpostos ou adicionados aos elementos de urbanização ou de edificação, de forma que sua modificação ou seu traslado não provoque alterações substanciais nesses elementos, tais como semáforos, postes de sinalização e similares, terminais e pontos de acesso coletivo às telecomunicações, fontes de água, lixeiras, toldos, marquises, bancos, quiosques e quaisquer outros de natureza análoga;

IX - pessoa com mobilidade reduzida: aquela que tenha, por qualquer motivo, dificuldade de movimentação, permanente ou temporária, gerando redução efetiva da mobilidade, da flexibilidade, da coordenação motora ou da percepção, incluindo idoso, gestante, lactante, pessoa com criança de colo e obeso;

X - residências inclusivas: unidades de oferta do Serviço de Acolhimento do Sistema Único de Assistência Social (Suas) localizadas em áreas residenciais da comunidade, com estruturas adequadas, que possam contar com apoio psicossocial para o atendimento das necessidades da pessoa acolhida, destinadas a jovens e adultos com deficiência, em situação de dependência, que não dispõem de condições de autossustentabilidade e com vínculos familiares fragilizados ou rompidos;

XI - moradia para a vida independente da pessoa com deficiência: moradia com estruturas adequadas capazes de proporcionar serviços de apoio coletivos e individualizados que respeitem e ampliem o grau de autonomia de jovens e adultos com deficiência;

XII - atendente pessoal: pessoa, membro ou não da família, que, com ou sem remuneração, assiste ou presta cuidados básicos e essenciais à pessoa com deficiência no exercício de suas atividades diárias, excluídas as técnicas ou os procedimentos identificados com profissões legalmente estabelecidas;

XIII - profissional de apoio escolar: pessoa que exerce atividades de alimentação, higiene e locomoção do estudante com deficiência e atua em todas as atividades escolares nas quais se fizer necessária, em todos os níveis e modalidades de ensino, em instituições públicas e privadas, excluídas as técnicas ou os procedimentos identificados com profissões legalmente estabelecidas;

XIV - acompanhante: aquele que acompanha a pessoa com deficiência, podendo ou não desempenhar as funções de atendente pessoal.

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Crimes antigos - ações eficazes





Onde estava todo mundo da área de segurança?
A Polícia Federal e o MPF dão um show que poderia ser dos estados...
Um novo padrão de Justiça conseguirá sucesso?

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

O ABORTO no Brasil

O ABORTO



Quando se debate furiosamente a questão da intocabilidade óvulo feminino fecundado, sempre lembrando a importância ser realista, pergunto:
  1. Por que todos os casais que são contra o aborto e têm condições não adotam crianças rejeitadas?
  2. Entidades contra o aborto manêm creches? Escolas?
  3. Religiosos cuidam bem de seus filhos legítimos e outros?
  4. qual é militância de ONGs em áreas pobres do Brasil?
  5. Conhecem realmente nossos "usos e costumes"?
  6. Uma criança rejeitada será feliz junto a pais que não a desejam?
  7. Uma criança infeliz terá que comportamento social quando for adulta?
  8. Como evitar o turbinamento de jovens precocemente?
  9. Que tal a substituição das novelas atuais por histórias que demonstrem a importância da criança?
  10. Leram o livro Freakonomics?